Oficina de Acroyoga 10/06 às 8h

Neste domingo dia 10/06 às 8h, estaremos realizando a nossa primeira Oficina de Acroyoga. Venha participar! Siga-nos nas redes para ficar por dentro das novidades!

Preencha o formulário 

Ou copie e cole o link no navegador  https://goo.gl/forms/FredIUfemnZbcpuC2oficina praia

Faça aulas inteiramente Grátis!

Para aulas inteiramente grátis você deve baixar e preencher a FICHA DE INSCRIÇÃO semente do Yoga  , e nos enviar para os emails: sementedoyoga@hotmail.com  ou sementedoyoga@outlook.com. 

Você poderá ainda nos demonstrar seu interesse em participar das aulas se cadastrando no nosso site.

Você contribuirá com 20 reais referente à compra da camisa do Projeto Semente do Yoga e poderá participar de todas as aulas realizadas aos sábados na praia da concha em Ilhéus.

Indique no email qual o tamanho da camisa que deseja:  P, M ou G.

Aguardamos seu contato!

Namaste!

ADHOMUKHA SVANASANA/ CACHORRO OLHANDO PARA BAIXO

Veja na nossa página

ADHOMUKHA SVANASANA/ CACHORRO OLHANDO PARA BAIXO
Tradução: adho = para baixo, mukha = rosto, face, svana = cachorro; Postura do cachorro olhando para baixo

BENEFÍCIOS:

  • Fortalece os ossos: ajuda a prevenir a osteoporose
  • Trata as dores nas costas: ao alongar os músculos da zona e relaxar as tensões
  • Alonga o peitoral, glúteos, isquiotibiais e panturrilhas
  • Fortalece os ombros, costas, tríceps e punho
  • Alonga a musculatura posterior dos joelhos
  • Reduz as tensões: ajuda a aliviar o estresse e a depressão leve, ao alongar por completo os músculos e as articulações
  • Reduz a dor de cabeça: oxigenar o cérebro através da gravidade, levando o sangue para a cabeça, pode reduzir e tratar enxaquecas e insônias e oxigena facilmente o corpo
  • Regulação de hormônios: ajuda a aliviar os sintomas da menopausa, alivia o desconforto menstrual
  • Melhora a digestão
  • Terapêutica para hipertensão arterial, asma, pés planos, ciática, sinusite

REALIZAÇÃO DA POSTURA:

  1. Comece apoiado sobre as mãos e joelhos. As mãos devem estar abaixo dos ombros e os joelhos sob os quadris.
  2. Curve os dedos (do pé) para baixo e pressione-os contra o peito do pé. Levante o quadril em direção ao teto até que seu corpo faça um “V” invertido.
  3. Pressione o peito contra os joelhos, mantenha os olhos focados em seus dedos e pressione os calcanhares em direção ao chão.
  4. Pressione as mãos no chão e empurre a cabeça entre os braços
  5. Priorize o encaixe da parte superior do tronco. Se for preciso, mantenha os calcanhares elevados ou flexione um pouco os joelhos.

Observação: O mais importante nesta postura é manter a coluna reta, impulsionando o glúteo para cima, formando um ângulo de torno de 60º entre as coxas e o abdômen, de modo a formar um V invertido. Priorize a retidão da coluna em detrimento do alinhamento das pernas, caso precise. Você deve dobrar os joelhos ou levantar os calcanhares, se necessário, para que consiga manter a coluna reta e a postura confortável.

  (Sangha) A importância do grupo.

“Ninguém liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho: os homens se libertam em comunhão”. Paulo Freire.

A palavra Sangha talvez seja o complemento mais propicio para o termo Yoga atualmente. Pode ser entendida como a união de pessoas com objetivos, práticas e/ou assuntos em consonância que se encontram com regularidade. Em sua tradução literal “Sangha” pode ser; comunidade, reuniões regulares, ou qualquer forma de convívio humano que ocorre com constância.

Uma sangha pode ser também uma comunidade de amigos que se juntam para promover e manter a consciência. A essência de uma sangha é consciência, compreensão, aceitação, harmonia e amor. Quando você não vê isso em uma comunidade ou em um grupo, não é uma verdadeira sangha. Mas quando você achar que esses elementos estão presentes em uma comunidade, você sabe que você tem a felicidade e a fortuna de estar em uma sangha real.

No contexto das vivências de autoconhecimento, a palavra sangha assume a definição de Zimerman para grupo; uma orquestra na qual cada instrumento e cada musico, assume seu papel e posição, e dialoga entre si e com os demais. Enquanto os membros da orquestra ainda estão afinando seus instrumentos sem um diálogo entre os sons produzidos, o grupo ainda não se concretizou.

É no diálogo que o grupo ganha seu significado de existir e é na convivência que nutrimos nossa personalidade fortalecendo nossos objetivos maiores.

Nossa civilização, nossa cultura, caracteriza-se pelo individualismo. Estamos sós, aprimorando nossas habilidades e afinando os instrumentos eternamente para um concerto em frente ao espelho. O indivíduo quer fugir da família e das sociedades, é por isso que não temos solidez, não temos harmonia, não temos a comunicação que precisamos.

É bem verdade que as tentativas de unificação das diversidades humanas pela religião ou sistemas políticos até então não foram bem-sucedidas e estabeleceram apenas um estado de uniformidade infértil. Sem dúvida, para que exista a uniformidade de um grupo inteiro de pessoas, é necessário certo grau de anulação individual.  E sem a percepção de que é um ser único e individual o ser humano perde seu potencial maior, que é parafraseando Paulo Freire; a vocação ontológica de ser mais.

Hoje mais que nunca como indivíduos, não podemos fazer muito. Refugiar-se na sangha, refugiar-se na comunidade que estamos afinados, é uma pratica forte e importante para fortalecer nossa personalidade das características que mais estimamos. Sem ser apoiado por um grupo de amigos motivados pelo mesmo ideal é quase impossível mudar algo, ou continuar fiel a um caminho consistente de autoconhecimento e humanização.

Sozinho encurto, endureço. Em grupo amadureço.