Corpo maltratado, espírito quebrado. Yoga para fortalecer o sistema

 

img-20180531-wa00001

Não acredito em autoflagelação do corpo para alcançar alguma espécie de sabedoria como dizem… Não acredito em privações de prazer para aprimorar o espírito. O corpo é uma parte do que se chama de “si mesmo”. E pode não ser a principal, mas é a mais palpável, aquela que se pode tocar e através da qual percebemos o mundo e tocamos as pessoas. As outras partes do “si mesmo”, a psique, a alma, o espírito, estão contidas e em volta do corpo, de modo que formam um complexo integrado.

Alguém que busca a evolução de “si mesmo” através somente do corpo, esquecendo de atender às necessidades do espírito está fadado a cometer erros que o prendem ao mesmo lugar até aprender essa lição de integração.

Alguém que maltrata o corpo com o objetivo de evoluir espiritualmente está cometendo um erro fatal. Quando se flagela o corpo, se quebra o espírito. Percebemos isso no modo como grandes religiões exerceram poder sobre os “fiéis”, induzindo à autoflagelação, impondo o desprezo com “a carne”. É fácil manipular o espírito de alguém sem força física; é fácil domar um rebanho que despreza o próprio corpo. Não esqueçamos que a flagelação do corpo é também uma estratégia de guerra, fazia-se (e ainda faz) todo tipo de maus-tratos aos prisioneiros e se consegue todo tipo de coisa com a tortura. Também a violência é uma tática de muitos pais para exercer domínio sobre os filhos; e os filhos reagem com obediência, assim como os fiéis ou os torturados… Espíritos quebrados, sem nenhuma força de vontade própria.

O Yoga por outro lado, fortalece a musculatura, fortalece os nervos, fortalece o sistema imunológico, fortalece e equilibra de maneira integrada todo o corpo. E de modo equivalente fortalece o espírito. E o que você chama de “si mesmo” torna-se forte e desobstruído de medos e bloqueios. E então um corpo forte e equilibrado consegue aproveitar o gozo da vida; e esse corpo fala com você, te manda mensagens daquilo que é bom e daquilo que não satisfaz o “si mesmo”. E então você já não precisa de mestres, pais e entidades te dizendo o que é certo – você sabe, e também já não precisa da aprovação das pessoas – porque o que te satisfaz é sempre o que dá gozo a você e isso não pode agredir as pessoas. Você se torna exatamente naquilo que nasceu para ser. Você encontrou Deus e já não precisa de “porta-vozes”. Você finalmente entendeu que o seu corpo é um instrumento que DEVE ser usado para a evolução e o aprendizado de “si mesmo”.  Tudo isso porque resolveu cuidar do “todo você”. Tudo isso porque aprendeu a respeitar o seu corpo.